Wednesday, July 16, 2008

Jovita Pereira Dias

Bom, comecei um novo filme, confesso que não foi nem um pouco fácil, ainda mais um documentário (um universo que eu apenas tinha trabalhado como técnico de som ou editor de som).
Há dois anos queria muito fazer uma iniciação científica, o tema era a desconstrução da montagem e do som de alguns filmes, seriam eles: "Outubro" de Sergei Eisenstein, "M" de Fritz Lang, "O bandido da luz vermelha" de Rogério Sganzerla, "Star Wars - uma nova esperança" de George Lucas, "Apocalypse now" de Francis Ford Coppola, "Touro indomável" de Martin Scorsese, "O resgate do soldado Ryan" de Steven Spielberg e "O pântano" de Lucrécia Martel. Quando apresentei o projeto para aquele que seria o meu orientador, André Gatti "O eterno guru", ele virou pra mim e disse:
"- Meu caro, você tá louco?"
Eu sem entender nada virei e disse:
"- Não, porque?"
Ai ele respondeu:
"- Você imagina o trabalho que terá para decupar todos esses filmes cena a cena?"
Devido à isso, resolvi tirar sete filmes e realmente analisar aquele que teve o maior impacto para mim, "O bandido da luz vermelha"!
Confesso que foi uma decisão difícil, mas eu tive que decidir e não me arrependi (até então em ter escolhido o mesmo). Comecei o processo e tive que parar devido a alguns filmes que precisei pegar e também a um estágio na Cinemateca que comecei a fazer!
No fim abri mão de fazer a iniciação científica (não me arrependo!). Passaram dois anos, veio o famoso e tão nebuloso TCC (que podemos traduzir como: Tomando no Cu Certinho), ou seja, inscrevi dois projetos: um documentário sobre a analise da montagem e do som do filme do Sganzerla e uma ficção que seria um Western (projeto engavetado e aguardando um dia ser filmado!). A banca acabou escolhendo o primeiro projeto, justificando o seguinte:
"-Pô, a gente ter um filme no formato de documentário seria incrível, ainda mais com essa temática, poxa, belo projeto!"
Aí que eu saquei o que era toma no cu! E tomei!!
Comecei uma pesquisa imensa sozinho com a ajuda de dois orientadores que acabei escolhendo, O Eterno Guru e Dona Suzana Reck Miranda, a mulher de todos os sons!
Fiquei lendo todos os críticos e teóricos, entre eles: Jean Claude Bernardet, Jairo Ferreira, Ignácio Araújo, Ismail Xavier e etc. Passei a dobra tudo isso com autores de livros sobre documentários: Bill Nichols, Silvio Da-Rin (que foi um presente maravilhoso que o Leandro Goddinho, artista único e fiel amigo, me deu!), Lúcia Nagib, Amir Labaki, além de ler tudo o que o Rogério escreveu ou o que disseram sobre ele e o filme e rever o filme quase que duas vezes por semana!
Confesso que foi do caralho todo esse esforço. Mas ainda continuava sozinho no projeto, e o Gatti dizendo:
"-Acorda meu filho, você ainda não tem equipe?"
Ai eu pensei:
"-Eu podia me formar em áudio ou montagem do filme de algum amigo e pronto!"
Bom, passaram-se meses, acabou chegando maio e a água literalmente bateu na bunda. O professor Luiz Adriano solta um e-mail dizendo:
"Caros alunos,
Quem não entregou os últimos pedidos que eu solicitei, terá notas baixas!"
Eu pensei:
"Fudeu, tomei no cu certinho!"
Ai comecei a correr atrás de equipe, até então eu tinha a fotógrafa, e eu mesmo estava produzindo, ou seja, estava sobrecarregado. No fim de abril e começo de maio eu precisei parar tudo para fazer dois curtas, um em sequência do outro, seriam eles: "Uma História de Borboletas" de Luciana Okawara e Érika Fromm (4 diárias em São Paulo) e "Nicolau e as Árvores" (4 diárias em Guararema). Foi tudo lindo, foram filmes realmente legais de se ter participado, infra-estrutura ótima pro trabalho, mas quando voltei dessa aventura, recebi a notícia que a fotógrafa ia fazer intercâmbio. Não pensei duas vezes em incentiva-la, acho que eu mesmo gostaria de ter essa oportunidade, conversamos e foi muito bom ver a decisão dela pra ela, mas de qualquer forma, eu novamente estava sozinho no projeto, tinha que correr atrás de uma equipe!
Chegou em meados de maio, convidei duas amiga muito inquietas que tenho, uma tem aquele jeito único da Lisa Simpson, toda organizada e a outra tem aquele ar de produtora mesmo, mandona, agilizada e cheia de artimanhas em conseguir os contatos que eu precisava, apresentei o projeto pra elas e as mesmas aceitaram na hora, fiquei muito feliz!
Juntos decidimos convidar uma terceira produtora, aquela que iria estar direto no set e na correria, além de ser extremamente sexy!
Resolvi convidar um primo meu que um dia comentou que gostaria de experimentar o som, não pensei duas vezes, ele topou!
Cara eu já tinha 3 pessoas, isso era demais, ai uma grande amiga voltou de viagem, sempre tivemos um lance de querer trabalhar juntos mas não batia os projetos, chegamos a conversar sobre algo, mas ficou meio que no papel, lancei pra ela:
"-E aí, quer fazer a foto do bandido?"
Ela soltou um sorriso e ficou super feliz!
Pronto eu tinha minha equipe, ah lembrando uma priminha (sabe aquelas que quando somos jovens ficamos de sunguinha brincando com o esguicho?!), mais nova, hoje com 19 anos, e grande montadora, ela ainda não sabia que ia montar, e ficou sabendo mais tarde e falou:
"-Porra velho, fiquei sabendo pelo primo que eu vou montar seu filme!"
Aí eu respondi:
"- Oh prima, você é a minha Thelma Schoomaker (montadora dos filmes do Martin Scorsese, essa velhinha é sinistra, tem cara de vó, mas deixa a bichinha sentar na moviola pra você ver violência!)!"
Aí ela soltou aquele sorrisinho de criança italiana feliz de ganhar um doce na festa de São Genaro, enquanto os nossos avós dançam a tarantella!
Pois bem, quem iríamos entrevistar? 1. Pessoas vivas que participaram do filme; 2. Profissionais que são aficcionados pelo filme; 3. Pessoas próximas do diretor; 4. Sempre tem alguém que lembramos depois!
Conseguimos encontrar a assistente de montagem, já que o montador do filme infelizmente faleceu para tristeza do cinema brasileiro, o mago Sylvio Renoldi.
Jovita Pereira Dias era o nome dessa senhorinha (pequenina, magrinha, falando baixinho, e ainda oferecendo uma cafézinho), morando em uma casa no Taboão da Serra, fomos eu, o primo, a fotógrafa, uma das produtoras e um novato na equipe assistente de produção e serial killer no trânsito (eu confesso que andar com esse cidadão é mais emocionante que pular do Sky Coster do PlayCenter!
Começamos a filmar, o filho de Jovita também foi montador e precisava de atenção, o sujeito não parava de falar, coitado, carente, mas naquela hora não meu amigo! Jovita nos recebeu muito bem, no começo estava um pouquinho quieta e um pouco apreensiva com a situação de ser entrevistada por um estudante de cinema!
Chega o momento mais lindo do dia, entrego pra Jovita uma cópia do filme para fazer uma cena da mesma assistindo, e ela diz algo único:
"- Eu confesso que nunca vi o filme!"   
Cara, me senti muito bem, fiz algo que eu mesmo não esperava, aquela senhorinha que foi assistente do Renoldi e montou diversos filmes da Boca do Lixo, nunca tinha visto a obra-prima que ajudou a fazer, ali eu ganhei o dia!
A entrevista foi linda, fiquei super feliz, o primeiro passo foi dado, paramos depois num butecão na rua da Consolação pra comer um PF, e ficamos conversando sobre aquela tarde maravilhosa para todos nós!
Enfim, nasce um novo bandido, um novo delírio, um novo filme, uma nova equipe, uma parceria para todos!
O bandido ressurge no ano que completa 40 anos de avacalhações!
Só digo uma coisa:
"- QUEM TIVER DE SAPATO NÃO SOBRA!"

28/06/2008

1 Comments:

Blogger Rai Jr. said...

que bacana ler isto, meu caro amigo, se assim posso adjetivar. sorte com esse filme e com as coisas de sua cabeça. vc já é meu consultor oficial de dança.

abraço

brenon

18 November, 2008 18:10  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home